Qual é a função da proteína?

As proteínas possuem funções biológicas básicas já consagradas e plenamente reconhecidas. Algumas delas são: construção e manutenção dos tecidos, formação de enzimas, formação de hormônios, formação de anticorpos, fornecimento de energia, reguladores metabólicos, transportadores de membrana, transporte de triglicerídeos, colesterol, fosfolipídios e vitaminas lipossolúveis no sangue (lipoproteínas) e transporte de oxigênio (hemoglobina e mioglobina).1

TIPOS DE PROTEÍNAS

As proteínas podem ser provenientes de diferentes alimentos e ter diferentes tamanhos, que influenciam diretamente na digestibilidade, na absorção do organismo e na oferta de aminoácidos. Conheça algumas delas:

Soro do Leite

A proteína do soro do leite ou whey protein é uma das principais proteínas encontradas em produtos lácteos. Extraída do processo de fabricação de queijos, a proteína do soro do leite fornece quantidades substanciais dos aminoácidos essenciais necessários para desempenhar as funções que as proteínas fornecem para o corpo, além de também apresentar alto teor de cálcio e de peptídeos bioativos do soro. Alguns efeitos são vistos nesse tipo de proteína, tais como: melhor digestibilidade (sendo mais rápida que a caseína), síntese proteica muscular esquelética, redução da gordura corporal, modulação da adiposidade e melhora do desempenho físico. 3

Caseína

A caseína é uma das principais proteínas encontradas no leite. Ela é composta por aminoácidos essenciais e encontra-se com mais facilidade no leite de mamíferos, sendo cerca de 80% das proteínas encontradas no leite de vaca e entre 20% e 45% das proteínas encontradas no leite humano. 4,5

Albumina

A albumina é a proteína que mais circula no plasma e nos líquidos extracelulares. Possui funções de ligação e transporte de inúmeras substâncias (cálcio, zinco, magnésio, cobre, ácidos graxos de cadeia longa, etc.), além de ser responsável pela preservação da distribuição de água nos compartimentos corporais. 6

Proteína da carne

A carne é uma excelente fonte de proteína de alta qualidade (ou seja, que fornece todos os aminoácidos essenciais). Além disso, contém nutrientes fundamentais para o adequado funcionamento do organismo humano, como o ferro, o zinco e vitaminas do complexo B, tais como: B1, B2, B6 e B12.7

Proteína da soja

A soja possui vantagens em relação às outras proteínas vegetais, por seu elevado teor de proteínas de excelente qualidade e baixo custo, como também bom teor de isoflavonas, que auxiliam na redução do colesterol sanguíneo. Além disso, pode ser indicada como uma alternativa ou prevenção aos indivíduos que sofrem de doenças cardiovasculares. Isso por que, é rica em ácidos graxos essenciais que, juntos às isoflavonas, protegem as artérias, reduzindo os riscos de obstrução. 8,9

Proteína da ervilha

A ervilha é rica fonte de carboidratos, fornece uma boa quantidade de vitaminas, minerais, fibras e proteínas. Possui alto conteúdo de vitaminas do complexo B, que são necessárias para o bom funcionamento do coração e do sistema nervoso e de vitamina C, que atua como agente anti-infeccioso e também nas cicatrizações. Além disso, conta com o potássio e outros minerais, como: cálcio, fósforo, ferro, enxofre e cobre, que asseguram o equilíbrio interno do organismo. 10


Como são classificadas as proteínas de acordo com seu tamanho?11

  • Intacta

É a proteína com seu tamanho original, sem nenhuma quebra de enzima. Esse tipo de proteína, é absorvida de forma normal por indivíduos saudáveis.

  • Parcialmente Hidrolisada

A fim de facilitar a absorção de proteínas intactas, por pessoas que tenham alguma intolerância gastrintestinal ou dificuldade de digestão. As proteínas, nesse caso, já são fornecidas parcialmente ‘quebradas’, portanto, têm moléculas menores que as intactas para facilitar a absorção no organismo.

  • Extensamente Hidrolisada

É a proteína ainda mais hidrolisada que, além de facilitar a absorção e a digestão, possui menor potencial alergênico. Indicada como primeira opção para alérgicos à proteína do leite de vaca, por exemplo.

Aminoácidos

São indicadas fórmulas de aminoácidos para, por exemplo, indivíduos alérgicos à proteína do leite de vaca e alergias alimentares mais severas.12 O corpo humano possui vinte aminoácidos “padrão” para a criação celular de peptídeos. O código genético cria peptídeos e proteínas a partir desses aminoácidos que são classificados em dois grupos: os aminoácidos essenciais e os aminoácidos não-essenciais. 13,14

Aminoácidos essências: aqueles que o organismo humano é incapaz de sintetizar em quantidade suficiente para suprir as necessidades, fazendo com que seja necessária a ingestão alimentar diária nas quantidades recomendadas. Estes incluem a leucina, isoleucina, lisina, metionina, fenilalanina, treonina, triptofano, valina e isoleucina. Outro aminoácido, a histidina é considerada essencial, apenas para as crianças. 15

Aminoácidos não-essenciais: aqueles que o organismo humano sintetiza em quantidade suficiente, fazendo com que não seja necessária a ingestão alimentar diária em maiores quantidades. Os ácidos aminados não-essenciais são: arginina, alanina, asparagina, ácido aspártico, cisteína, glutamina, ácido glutâmico, glicina, prolina, serina e tirosina. 15

Todos os vinte aminoácidos são igualmente importantes para manter o organismo saudável. 

Fontes de proteína animal

  • Leite e derivados (ex.: queijo e iogurte);
  • Carnes (ex.: vaca, frango e peixe);
  • Ovos.

Plant based

É um novo conceito de alimentação à base de proteínas vegetais. É uma dieta com frutas, legumes, tubérculos, cereais integrais e legumes, excluindo ou minimizando carne, produtos lácteos e ovos, bem como alimentos processados industrialmente.

Fontes de proteína vegetal 16

  • Ervilhas;
  • Feijão;
  • Lentilhas;
  • Aveia;
  • Arroz;
  • Amêndoas;
  • Amendoim;
  • Semente de abóbora;
  • Semente de girassol;
  • Gergelim;
  • Grão-de-bico;
  • Castanha-de-caju;
  • Linhaça;
  • Nozes;
  • Brócolis;
  • Couve-manteiga;
  • Espinafre;
  • Entre outros.

Consulte um profissional da saúde para informações adicionais.  Este é um material informativo e não substitui a recomendação de um profissional da saúde.

Referências

  1. Silva ACC, Frota KMG, Arêas JAG. Funções Plenamente Reconhecidas de Nutrientes - Proteína / ILSI Brasil (2012).
  2. Kreider R, Wilborn C, Taylor L, Campbell B, Almada A, Collins R, et al. ISSN exercise & sport nutrition review: research & recommendations. J Int Soc Sports Nutr. 2010;7:7.
  3. Haraguchi Fabiano Kenji, Abreu Wilson César de, Paula Heberth de. Proteínas do soro do leite: composição, propriedades nutricionais, aplicações no esporte e benefícios para a saúde humana. Rev. Nutr.  [Internet]. 2006 Aug [cited  2019  Sep  20] ;  19( 4 ): 479-488. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732006000400007&lng=en.http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732006000400007.
  4. Kunz C, Lönnerdal B. Proteínas do leite humano: análise de subunidades de caseína e caseína por cromatografia de troca aniônica, eletroforese em gel e métodos específicos de coloração. The American Journal of Clinical Nutrition 1990; 51 (1): 37–46.
  5. Livney YD. Milk proteins as vehicles for bioactives. Current Opinion in Colloid & Interfaces Science. 2010;15:73– 83.
  6. Sampaio LR, Silva MCM, Oliveira NA, Souza CLS, Avaliação bioquímica do estado nutricional. Sala de aula Collection; Salvador; 2012: 49-72.
  7. Costa FS, Henrique w, Fuzikawa IHS. Benefícios do consumo de carne vermelha. Pesquisa & Tecnologia 2017; 14 (1).
  8. Mandarino JMG, Panizzi MC. Soja: injeção de saúde. Cultivar. 2001:17–18.
  9. Mandarino JMG, et al. A soja e a saúde humana. Embrapa Soja. 2002;178:16.
  10. Guia Funcionais 2011. Pisum Sativum e suas proteínas. Revista Aditivos Ingredientes. 2011;(84):35-40.
  11.  Zamberlan P, orlando P, Doce P, Delgado AF, Vaz FAC. Nutrição enteral em pediatria. Pediatr Mod. 2002;38:105-24.
  12. Ferreira CT, Seidman E. Food allergy: a practical update from the gastroenterological viewpoint. J Pediatr. 2007; 83(1): 7-20.
  13. Nishida AMB, et al. Aminoácidos / ILSI Brasil - Força-Tarefa de Alimentos Fortificados e Suplementos. 2016;117p.
  14. G Wu. Amino acids: metabolism, functions, and nutrition. Amino Acids. 2009;37(1):1-17.
  15. Peptídeos [ Home page]. Portal São Francisco [Acesso em 24  de setembro de 2019]. Disponível em: https://www.portalsaofrancisco.com.br/quimica/peptideos
  16. Slywitch E. Alimentação Vegetariana - Sociedade Vegetariana Brasileira. 24p.

NHSDIG401019

Leia mais
Fechar
A Recomendação nutricional é de 0,8 - 1,0 grama / kg / dia de proteína para pessoas que realizam programa geral de condicionamento físico. Consumo de 1,0 - 1,2 gramas / kg / dia de proteína para idosos, 1,0 a 1,5 gramas / kg / dia de proteína para praticantes de atividades físicas moderadas e 1,5 a 2,0 gramas / kg / dia de proteína para praticantes de atividades intensas. 2